Domingo, 22 de Maio de 2005

FONTES PEREIRA DE MELO, por Inês e Sofia Carviçais.

fontespereiramelo.jpg
A 8 de Setembro de 1819 nasce António Maria Fontes Pereira de Melo.

Filho de João Fontes Pereira de Melo e de D. Jacinta Venância Rosa da Cunha Matos. Entrou aos 13 anos para a Academia dos Guardas-Marinhas, tendo obtido todos os prémios possíveis. Tendo acabado de forma brilhante o seu curso na Academia quis estudar mais e formou-se em engenharia também com muito bons resultados.

Em 1839 seu pai foi nomeado governador de Cabo Verde e Fontes Pereira de Melo vai com ele como seu ajudante. Tendo visitado todas as ilhas, tenta mostrar ao pai a importância do desenvolvimento da província.

Aí apaixona-se por D. Maria Josefa de Sousa, filha de um comerciante cabo-verdiano, com quem casa antes de regressar a Portugal.

Pouco tempo depois de chegar a Lisboa morre sua mulher e mais tarde sua filha. Com tanto desgosto fecha-se em casa e só a guerra o faz voltar à política.

Ao longo da sua vida teve vários cargos (Fidalgo da Casa Real, do conselho de Sua Majestade e do conselho de Estado, deputado, chefe do Partido Regenerador, ministro e secretário de Estado em diversas épocas) que o tornaram um dos maiores políticos do seu tempo.

Convidado pelo duque de Saldanha para ministro da fazenda, Fontes Pereira de Melo consegue em pouco tempo, com as medias que tomou, tirar Portugal da pobreza. Ao mesmo tempo criou o Instituto Industrial e o Instituto Agrícola.

Ao criar o ministério das Obras Públicas Fontes Pereira de Melo inicia o desenvolvimento de Portugal. Mandou construir 460 quilómetros de estrada e fizera ainda 17 pontes, arranjou um subsidio para a navegação em barcos a vapor no rio Tejo e no Sado conseguiu também introduzir a telegrafia eléctrica.

Para poder fazer todas estas coisas era preciso pedir empréstimos aos países vizinhos, o problema e que Portugal se atrasava nos pagamentos, o que tornava mal visto na sociedade.

Era preciso mais dinheiro para fazer os caminhos de ferro mas como o iriam arranjar? Foi então que Fontes Pereira de Melo partiu para Londres na tentativa de mais um empréstimo, mas tinha uma simpatia tal, e era tão bem visto na sociedade que conseguiu convencer, que lhe fizessem um novo empréstimo de uma grande quantia (aproximadamente13.500.000contos).

Nos anos que se seguiram foi convidado, várias vezes, a formar governo.

Fontes Pereira de Melo morre, de doença rápida, a 22 de Janeiro de 1887.
publicado por António Luís Catarino às 16:37
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 29 de Maio de 2005 às 00:55
Cara Inês e irmã Sofia: ora aqui está uma personalidade histórica que devia ser mais estudada pelos nossos políticos. Por incrível que pareça ainda hoje usamos muitos dos projectos que ele, a meio do século XIX, teve a ousadia de imaginar primeiro e fazer depois. Aí, não foi dinheiro deitado fora, não senhor. E obrigado por terem dado a conhecê-lo a todos aqui no nosso blogue. Parabéns às duas.Prof. Luís Catarino
</a>
(mailto:skamiaken@sapo.pt)

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Maio 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Um aviso à navegação e ao...

. SOBRE A METODOLOGIA E PRÁ...

. Olha!, mais uma revista s...

. DESCOBERTO CEMITÉRIO ROMA...

. ATENÇÃO A ESTE FILME HIST...

. UMA PROPOSTA DE FIM-DE-SE...

. CALENDÁRIO ESCOLAR 2005/2...

. Crianças, telemóveis e o ...

. UM FILME A NÃO PERDER: «C...

. GRAFFITI: UM CRIME DE ART...

.arquivos

. Maio 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.favoritos

. E o homem com livros cont...

blogs SAPO

.subscrever feeds